BÍBLIA CATÓLICA ONLINE

sexta-feira, julho 30, 2010

Cerca de 80% das crianças no Brasil já tiveram experiências negativas na internet

Uma pesquisa divulgada nesta terça (13) revela que cerca de 80% das crianças no Brasil já tiveram experiências negativas na internet, 46% delas sentem medo da internet depois do incidente e 39% perdem a confiança no ambiente online. As conclusões são do Norton Online Family Report, estudo que detalha de que formas adultos, jovens e crianças se relacionam pela web no mundo.
As crianças brasileiras também são as que passam mais tempo conectadas na internet. São cerca de 18,3 horas gastas por semana na web, enquanto a média mundial fica em 11,4 horas/semana – número que em relação à pesquisa de 2009 havia aumentado 10%. Elas têm noção de que passam um tempo exagerado na internet. Oito em cada dez crianças brasileiras consideram que passam muito tempo online.
Ainda, cerca de 61% delas fazem download sem supervisão de um adulto e 58% já tiveram alguém desconhecido tentando adicioná-las na internet, dados que revelam a insegurança no ambiente online para essa faixa etária.
A pesquisa foi feita pela Symantec, empresa da área de segurança, com mais de sete mil adultos e 2,8 mil crianças e adolescentes com idades entre 8 e 17 anos, em 14 países do mundo.
Reação
De acordo com o levantamento, a experiência negativa das crianças brasileiras causam três sentimentos principais: preocupação, medo e perda de confiança na internet. Após passar por ela, 87% buscariam apoio de um adulto se fossem ameaçadas fisicamente na web, enquanto 84% não diriam a um adulto se estivessem sendo chantageadas ou ameaçadas e 71% reportariam algo suspeito ou inapropriado.
“Os pais realmente se preocupam com predadores, mas ainda negligenciam ameaças comuns como o cyberbullying”, afirma Marian Merritt, conselheira de segurança na internet da marca Norton.
No Brasil, 71% dos pais disseram que, se procurados pelos filhos após um incidente online, ensinariam as crianças como reagir à experiência negativa. Em relação ao cyberbulling, 33% disseram que denunciariam o caso à polícia, enquanto 31% conversariam com a criança agressora e seus pais.
Sobre os perigos da internet, a principal dica é que os pais mantenham sempre um diálogo aberto com os filhos. “É fundamental que as crianças saibam que seus pais irão ouvi-las e ajudá-las a corrigir as coisas. Se eles acharem que serão culpados ou punidos, vão jogar a história para baixo do tapete”, avisa Marian.

Fonte: ANDI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

REFLEXÃO

“Sentimos raiva principalmente contra aqueles aos quais pensamos que propositadamente nos prejudicaram” Santo Tomás de Aquino

Faça Sua Pesquisa Aqui

Pesquisa personalizada
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

CF 2010: Economia e vida

HINO DA CF - 2010